escritorio contabilidade sao paulo

Gestão in foco

Crescem alternativas de economia compartilhada

 

A economia compartilhada está já no nosso dia a dia, mas no que consiste essa revolução que busca beneficiar o consumidor, mas já criou muito inimigos. Sinal de novos tempos, os aplicativos e ferramentas de economia colaborativa tomaram o mercado, fazendo concorrência com grupos econômicos já consolidados.

economia compartilhada

Quer estar sempre bem informado para crescer? Seja cliente Confirp!

Assim, hoje as pessoas, não montam mais um escritório, alugam um coworking. Também não se espera um táxi, se “pede um Uber” pelo celular. Até mesmo os hotéis estão sendo trocados por residências em que os moradores sedem quartos para viajantes.

Se por um lado essas novidades são festejadas pelos usuários, por outro, criaram fortes inimigos, como é o caso das associações de taxistas, que já demonstram suas insatisfações com repetidos protestos em São Paulo, Rio de Janeiro e diversas regiões não só do país, mas do mundo, ou mesmo as empresas de telefonia, que lutam judicialmente para impedir a possibilidade de ligações usando a internet do celular.

Mas e aí, como fica a população no meio dessa guerra? Não há como negar a importância desses aplicativos e redes que prometem facilitar a vida dos consumidores e gerar uma renda extra para muitos trabalhadores; também não se pode negar as razões da ira daqueles que se sentiram ameaçados pela concorrência, avaliada como desleal.

O mercado constantemente atravessa mudanças radicais, mas, com o passar dos anos, ocorre uma readequação e realinhamento das relações de trabalho, prevalecendo a sobrevivência de quem se ajustou melhor, um tipo de seleção natural econômica. Isso já foi observado com a rádio, que foi fadada a acabar ao chegar a televisão, contudo, se adequou, achou um novo nicho e, atualmente, voltou a crescer e se destacar.

Então, qual o problema tão terrível que muitos encontram na economia colaborativa, que gera grande contradição em setores, empresas e trabalhadores como taxistas?

Para começar, os benefícios são muitos, desde as taxas menores até diferenciais de atendimentos, aos quais a população não estava acostumada até então. Os prestadores de serviços no país nunca prezaram pelo bom atendimento, para comprovar isso, basta tentar trocar a operadora de celular.

Conheça a Assistência Técnica de Celular Tatuapé

Assim, achamos interessante listar os pró e contras de algumas dessas ferramentas.

Coworking

Coworking, este é um formato que possibilita o compartilhamento de espaços e recursos de escritórios entre as pessoas, reduzindo muito os gastos operacionais. Essa opção se estabeleceu no mercado pela sua acessibilidade e praticidade.

Hoje existem várias ofertas por esse tipo de serviço, existindo até os gratuitos, mas o grande destaque fica para os espaços locados, pois neles as pessoas podem contar com toda uma infraestrutura profissional de um escritório de alto padrão. Podendo até mesmo utilizar o coworking como endereço fiscal da empresa ou de uma filiar. Principal exemplo desse tipo de espaço em São Paulo é a Gowork (www.gowork.com.br).

São diversas as facilidades, tais como:

  • Não precisa se preocupar com locação de imóvel e todas dificuldades relacionadas;
  • Moveis e outros utensílios de escritórios já fazer parte do pacote dos principais coworking;
  • Se estabelece como uma alternativa ao isolamento do modelo home office, que se mostra por vezes improdutivo;
  • Opções de encontrar localizações privilegiadas que proporcionam potencialização de novos negócios.

Uber

 O Uber é um conceito novo de transporte, com ele, a partir de um aplicativo, qualquer pessoa com um smartphone consegue chamar um carro com motorista para se locomover. Em poucos minutos, o veículo de boa qualidade chega ao local definido com um motorista educado para levar ao destino, muitas vezes, com preços entre 15% a 25% mais barato em relação aos outros serviços oferecidos no mercado.

Isso fez com que em São Paulo e no Rio de Janeiro essa ferramenta se tornasse prioritária para empresários ou mesmo quem faz tudo via app. Batalhas ocorreram em torno da regulamentação desse tipo de transporte, com manifestações, bloqueio de vias e até brigas físicas violentas entre taxistas e motoristas de Uber. Contudo, em muitos locais, esse serviço ainda é irregular e o trabalho já não se mostra tão benéfico, devido aos baixos custos da viagem, ter que dar uma boa parte para a empresa e a existência de custos de manutenção.

Esse modelo está em franca expansão, existindo até mesmo serviços de helicóptero, para oferecer viagens sob demanda na capital paulista em parceria com a Airbus Group. Chamado de UberCOPTER, o serviço conecta 5 helipontos (Blue Tree Faria Lima, Helicentro Morumbi, Sheraton WTC, Hangar ABC, Hotel Transamerica) e 4 aeroportos (Congonhas, Cumbica, Viracopos e Campo de Marte) na cidade de SP e regiões próximas, com preços fixos, que serão informados antes de o usuário solicitar a viagem.

Aplicativos de caronas

Começou a pouco tempo ocupar um espaço de destaque e o Uber já possui fortes concorrentes, como os aplicativos de caronas, que prometem o uso mais sustentável dos veículos e economia para todos que participam dessa rede. O princípio é simples: já imaginou ir para o trabalho ou para a faculdade sem precisar ficar horas em pé no ônibus? Com versões para Android, iOS, Web e Windows Phone, esses aplicativos prometem revolucionar o trânsito e a rotina das pessoas.

Existe o Carona Direta, aplicativo que promove práticas de carona solidária, com o intuito de reduzir congestionamentos, economizar despesas de viagens e uma série de outras vantagens aos meios urbanos.

Já o Meleva une a comodidade de um táxi com a economia de uma carona por meio de um aplicativo. É simples, você coloca o local de partida e seu destino, o dia e a hora e encontra outras pessoas que farão o mesmo trajeto. O TipCar é uma rede social que une pessoas que querem carona ou então que querem colaborar levando outras e, possivelmente, dividir os gastos, para aproveitar as vagas no carro.

Enfim, essas redes de caronas solidárias prometem reduzir custos mais ainda que o Uber e enfrentam até mesmo os ônibus em viagens rodoviárias, tendo como benefícios os custos e a facilidade de deslocamento. Contudo, sofrem riscos como confiança nas pessoas que darão carona e também o fato de os veículos não serem regulamentados.

Airbnb

Para quem quer viajar e economizar em estadia, os hotéis estão se preocupando com o Airbnb, um aplicativo que permite anfitriões compartilharem seus espaços em 190 países e mais de 34.000 cidades. Tudo o que você precisa fazer é inserir seu destino e as datas da viagem na caixa de busca para descobrir lugares exclusivos para ficar, em qualquer lugar do mundo.

São exibidas fotos de acomodações, perfis de anfitriões e comentários para ajudar a tomar decisões conscientes ao considerar o espaço. Os filtros de busca possibilitam limitar os resultados pelo tipo de acomodação, preço e local. Por exemplo, se estiver em busca de novas amizades e quiser que o anfitrião esteja presente, basta selecionar Quarto Inteiro ou Quarto Compartilhado.

Essa ferramenta promete impactar nos hotéis, contudo, a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH Nacional) afirma que não vê problemas no uso da tecnologia, desde que a concorrência seja com as mesmas condições, pagamentos de tributos e obrigações.

“Na indústria hoteleira, primamos pelo uso das tecnologias e investimos em inovação. Somos a favor da regulamentação do Airbnb, porque nos preocupamos com a segurança dos hóspedes. Pregamos uma legalização do sistema. Somos a favor da distribuição de demanda, desde que quem oferece o serviço atenda às condições legais, assim como nós. Por exemplo, um hotel precisa ter alvará, extintor, segurança, inspeção regular dos bombeiros, etc. Somos muito demandados com a segurança, com razão. Recolhemos impostos, registramos funcionários, como qualquer tipo de comércio. Se fizerem isso, serão bem-vindos”, defende Bruno Omori, diretor de Operações da ABIH Nacional.

Hora de reposicionamento

O que se observa atualmente no Brasil é a entrada cada vez maior de novas tecnologias que beneficiam os consumidores e que proporcionam economia. As opções apresentadas acima são apenas algumas, que vêm conquistando espaço muito rapidamente, especialmente pela falta de cuidado com que as empresas que até então dominavam esses respectivos mercados tratavam seus clientes. Contudo, uma coisa já se mostra clara, a postura de vitimismo tomada pelas empresas que estão perdendo espaço não está surtindo efeito positivo, muito pelo contrário.

O caminho para quem se vê prejudicado não é olhar para fora, mais sim para dentro, avaliando o serviço que está prestando e aprimorando-o; só isso possibilitará a continuidade no mercado de forma competitiva. Uma coisa já foi demonstrada pela história: não é possível bater de frente com a evolução, quem tentou foi literalmente extinto; o melhor caminho é a readequação.

Compartilhe este post:

aumentou o teto

Leia também:

Linkedin Controle de Ponto

Controle de ponto e gestão de benefícios no Confirp Digital

[vc_row full_width=”” parallax_image=”” visibility=”” css_animation=”” center_row=”” typography_style=”” column_spacing=”” tablet_fullwidth_cols=”” bg_style=”” parallax=”” parallax_mobile=”” parallax_style=”” parallax_direction=”” video_bg=”” video_bg_overlay=”” border_style=””][vc_column width=”1/1″ style=”” visibility=”” css_animation=”” typo_style=”” drop_shadow=”” bg_style=”” border_style=””][vc_single_image

Ler mais