Ou sua empresa se adequa à nova revolução ou morre

nws entrata vigore nel delle modifiche dell imposizione alla fonte

Estamos no meio de uma grande virada, a 4ª Revolução Industrial, a Revolução Tecnológica, que promete não deixar nada mais como era antes. A grande questão é: ou as empresas se adequam a essa nova realidade ou estão fadadas a sumir.

contabilidade digital em sao paulo img

O momento pelo qual passamos é implacável para as empresas que não se adequam. Exemplos não faltam de empresas que não mudaram seu modelo de negócios e por isso faliram. Alguém lembra da Kodak, Blockbuster ou Olivetti? Empresas que pareciam imortais e que simplesmente sumiram (veja histórias no fim da reportagem).

“O mundo empresarial não permite mais chance para quem titubeia, o empresário mais do que nunca deve estar atento ao seu cenário para crescer e se destacar em um mercado que pode ser bastante generoso para quem o entende”, explica o diretor executivo da Confirp Consultoria Contábil, Richard Domingos.

Mas, qual o conceito dessa revolução? Esta está diretamente relacionada à utilização de dados digitais para a reorganização das empresas, por meio de tecnologias como nanotecnologias, neuro tecnologias, robôs, inteligência artificial, biotecnologia, sistemas de armazenamento de energia, drones e impressoras 3D. Isso tudo transforma o funcionamento das empresas e as relações das equipes com as máquinas.

Segundo uma das maiores especialistas em avanços tecnológicos do Brasil, Martha Gabriel, o mundo está mudando em um ritmo hiper acelerado por causa da tecnologia, e os negócios que se adaptarem melhor neste cenário, terão mais chances de destaque no mercado. Daí surge a necessidade de se adequar a um novo termo, chamado Mundo VUCA.

Essa sigla surgiu no final do século passado para descrever as mudanças das condições gerais no planeta — o mundo VUCA.

  • V de VOLÁTIL, que significa mudanças o tempo todo, então, precisamos ter criatividade para encontrar novas soluções e resiliência para conseguir enfrentar.
  • U de INCERTOem inglês, que significa que está cada vez mais difícil fazer previsões —portanto é necessário flexibilidade e agilidade para se adaptar ao imprevisto.
  • C de COMPLEXIDADE, que significa que tudo está cada vez mais conectado, aumentando a nossa dependência de tecnologias e pessoas. Isso requer colaboração e multidisciplinaridade.
  • A de AMBÍGUO, que significa que não existem respostas precisas para tudo. Lembra da polêmica do vestido que alguns enxergavam preto com azul e outros dourado com branco? É o mesmo vestido e todos estavam certos, mesmo com respostas diferentes. Nesse contexto, abertura, tolerância e coragem para escolher um caminho são fundamentais para o sucesso.

Mudanças nas empresas

Para as empresas, obviamente, o processo de transformação só beneficiará quem for capaz de inovar e se adaptar. Mas como fazer isso? “Infelizmente, os empresários ainda encaram essas mudanças com muito receio e não estão se adequando a essa realidade. Acreditam que ficar inerte é a solução, e esse é o grande erro. Quem não se mexe, possivelmente vai sumir”, explica Richard Domingos.

As empresas precisam investir e repensar desde já em seus negócios, um dos segredos vai ser saber, segundo Martha Gabriel, se o negócio tem escalabilidade. Ela explica que ser escalável é ter a capacidade de mudar de tamanho – portanto, de escala – conforme a necessidade.

“Quanto mais escalável for um negócio, maior a sua facilidade para se adaptar à cenários complexos, como o atual. A escalabilidade procura minimizar recursos e maximizar resultados, definindo o quanto uma empresa pode multiplicar sua renda sem ter que aumentar seus custos na mesma proporção”, explica.

As tecnologias digitais ampliaram consideravelmente as possibilidades de escalar qualquer negócio, pois aumentam significativamente a quantidade e alcance dos canais de comunicação e vendas. E, ainda, se o produto for digital, como, por exemplo e-Books e jogos, os canais de distribuição também se ampliam.

Algumas empresas conseguem escalar exponencialmente, ou seja, para cada recurso que adicionam no negócio, o resultado que alcançam é exponencialmente maior. Essas são chamadas de organizações exponenciais, como é o caso de Amazon, Google e Airbnb, por exemplo.

Verticalização é um caminho?

Nesse contexto, muitas empresas já estão ampliando o campo de atuação, buscando atuar em mercados que não atuavam antes, com objetivo de aumentar a movimentação e o número de clientes.

Perceba que nessa estratégia de verticalização se reduz o número de empresas parceiras. Falando assim, a verticalização pode ser vista como um modelo ultrapassado, mas não é. É um modelo, inclusive, que pode trazer inúmeras vantagens para a empresa. E que vantagens são essas? Conheça:

  • A empresa não precisa depender de terceiros. Independência é o seu “segundo nome”
  • Os lucros começam a aumentar
  • A empresa consegue ter uma autonomia maior em relação ao que está sendo produzido e vendido
  • O uso da tecnologia própria facilita o domínio sobre os trabalhos

Veja exemplos de empresas que buscam escalabilidade e verticalização:

Moema Assessoria amplia para clínica

Um ótimo caso de verticalização é a empresa Moema Assessoria, especializada em prestação de serviços em Medicina e Segurança do Trabalho. Com matriz no bairro de Moema, Zona Sul de São Paulo, e que atende empresas de diversos segmentos e portes em todo o país, focando na transparência, ética, agilidade e prontidão em seu relacionamento com os clientes e fornecedores.

A empresa possui uma grande estrutura e uma equipe altamente capacitada e especializada, com custos competitivos, gestão de informação e processos através de software. Contudo, a empresa possuía um grande estrutura que por vezes se mostrava ociosa. Assim, se adequou para outros modelos de atendimento.

“A Moema sempre se atentou em realizar parceiras e à necessidade de levar aos clientes melhorias. Com isso, há algum tempo começamos um ponto de atendimento laboratorial, com ponto de coleta, atendendo a demanda de clientes que precisavam de rapidez. A solução deu tão certo que estamos agora em um processo de expansão”, explicou Tatiana Gonçalves, sócia da empresa.

Ela conta que a empresa definiu dar mais um passo, sendo que havia mudado para um espaço muito maior e viu a possibilidade de mesclar medicina do trabalho com a medicina assistencial.

“Observamos que muitos clientes, por causa da crise, muitas vezes optaram por não mais oferecer convênio médico para os colaboradores. Isso gerou um desconforto no clima organizacional, além de deixar o colaborador sem respaldo”, explica.

Com essa percepção, a Moema entrou com uma solução trazendo médicos especialistas a um preço mais acessível. Outro ponto importante é quando um exame médico ocupacional apresenta alteração e a empresa tem convênio, o colaborador está assegurado.

Quando não, a única opção é o SUS. Esse processo pode demorar meses, e o funcionário fica no ‘limbo’. Assim, a Moema oferece a opção de resolver tudo em um único espaço.

Hoje, a empresa se preparou para atender clientes nas mais variadas especialidades, atendendo com cardiologista, psiquiatria, ginecologista, urologista, dentre outros. Além de exames de imagem e laboratoriais.  Isso possibilita a rotatividade de pessoas, o que dá visibilidade, aumenta o giro e fideliza o cliente.

Outro foco a ser investido será o cuidado com a saúde mental. “Hoje, mais de 50% dos afastamentos são psiquiátricos”. A indústria e o mercado mudaram, a tecnologia chegou e a área de Saúde e Segurança do Trabalho também tem que ser atualizar. Não podemos mais pensar em medicina do trabalho sem olhar para a saúde mental dos colaboradores. A Depressão, Síndrome do Pânico, Stress, Síndrome de Burnout estão cada dia mais comuns e presentes em nossas empresas, portanto precisamos aprender a falar sobre isso”, afirma Tatiana Gonçalves.

Por isso a empresa criou um Programa de Saúde Mental, com psiquiatras e psicólogos para apoiar seus clientes, sendo mais um exemplo de que a verticalização foi a melhor opção de crescimento para o negócio.

Apesar de 2019 ter sido um ano de muitas mudanças na área de SST, com o adiamento do eSocial e muitas atualizações e incertezas (que continuarão em 2020), a verticalização preparou a empresa para oferecer melhores soluções e fidelizar ainda mais os clientes.

Empresa de tecnologia que também faz contabilidade

Sempre à frente em seu setor, a Confirp é outro exemplo de verticalização. A empresa intensificou os investimentos em tecnologia, desenvolveu plataformas informatizadas, adquiriu softwares, introduziu sistemas de auditoria e segurança das informações e criou uma robusta estrutura para processar todas as informações contábeis de seus clientes.

Isso partiu de uma importante mudança na forma de fazer contabilidade no país. “Em pouco tempo a Confirp será uma empresa preponderantemente de tecnologia e que também faz contabilidade”, afirma Richard Domingos.

O crescimento acima de dois dígitos nos últimos três anos mostra que a empresa está no caminho certo da consolidação. Focando em inovação tecnológica, capacitação profissional, uma verticalização de produtos e cross selling em suas operações.

Isso tudo faz da Confirp uma empresa de tecnologia com alto valor agregado aos seus clientes. “O crescimento deixa cicatrizes, mas a cada degrau que subimos vemos um horizonte cada vez mais diferente. O mercado é implacável com que dorme. A todo momento devemos pensar em novos negócios e agregar valor ao cliente. Não basta fazer o que fizemos no ano passado. Temos que superar todo dia a expectativa dos nossos clientes”, explica Domingos.

Como resultado desses investimentos, os processos manuais serão reduzidos. Os trabalhos repetitivos não dependerão mais de interações humanas. Captações de registros, integrações de dados, auditoria de segurança ocorrerão em tempo real, minimizando falhas e omissões de lançamentos, aumentando a precisão dos dados em todos os trabalhos necessários para sua contabilidade.

Para os clientes Confirp, esse novo momento será um marco, adequando com agilidade e inteligência a contabilidade às necessidades modernas, e criando um jeito de fazer contabilidade, utilizando a inteligência artificial em todas suas operações.

Outro campo é a cooperação entre as empresas

Se algumas empresas buscam verticalizar os processos, outras buscam a horizontalização. Principalmente quando se pensa em startup e empresas tecnológicas que buscam o constante aperfeiçoamento e troca de informações tecnológicas e do mercado.

Ao contrário da verticalização, a horizontalização dá preferência ao que é mais prático. Esse modelo estratégico trabalha com parcerias que somam no resultado do produto que é entregue ao consumidor.

A quantidade de empresas que optam por esse modelo de gestão é tão grande, que algumas pesquisas mostram o quanto os setores de outsourcing ou terceirização e parcerias vêm crescendo paulatinamente nos últimos anos.

Dentre as principais vantagens, vale destacar:

  • Os custos começam a ser reduzidos
  • O volume de produção passa a ser mais flexível
  • Engenharia simultânea (know-how dos fornecedores)
  • A empresa volta suas atenções para um produto. O foco se torna uma ferramenta extraordinária.

A mudança fundamental

Não tem para onde correr, não existe caminho único e certeiro, as empresas estão no ‘olho do furacão’ e vão enfrentar dificuldades para adequar ao admirável mundo novo. O fato é que tudo mudou, principalmente o consumidor, cujo comportamento altera com a implementação da tecnologia nos processos de compra e venda, sendo possível adquirir um produto com muito mais agilidade e ter acesso a uma infinidade de opções em diferentes mercados. Apenas em 2018, por exemplo, 20% dos brasileiros investiram mais de R$ 500 em e-commerces estrangeiros, segundo o estudo “O Consumidor Brasileiro e suas Compras no E-commerce Cross Border”, da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo.

Essa realidade mostra a necessidade de adaptação das marcas ao mundo digital, principalmente com a concorrência que abrange além do mercado nacional. É importante que o investimento em transparência, comprometimento com a jornada do consumidor e segurança sejam levados em consideração tanto quanto o valor de um produto, a fim de proporcionar uma experiência segura, agradável e que gere fidelidade por parte do cliente.

Richard Domingos reforça que esses pontos mostram que uma adequação tecnológica é importante para empresas. A primeira coisa foi entender claramente o objetivo da empresa no mercado em que atua, envolvendo o corpo diretivo na construção das metas organizacionais dos negócios e por consequência todo os demais colaboradores.

“A figura do empresário é muito solitária, com o envolvimento de toda a companhia nos objetivos traçados se reduz sensivelmente a possibilidade de se tomar caminhos errados”, alerta.

Ele explica que uma empresa só continua viva quando tem um produto ou serviço que se inova constantemente. “Observarmos vários negócios sucumbirem, pois empresas mudam seu foco para apenas o faturamento, esquecendo o que realmente é a essência da empresa (não que faturar não seja indispensável pela manutenção do negócio), mas muitas empresas deixam de pensar em seu produto e passam a trabalhar como se tudo que comercializa ou presta de serviços fosse ser durável para sempre”.

Ele alerta que esse é um erro clássico, pois em fração tempo alguém entregará alguma coisa melhor e mais barata. Investimento em tecnologia, inovação, treinamento e capacitação, melhoria de processo, marketing, comercial, e principalmente em novos produtos fará com que uma empresa não entre no ciclo de morte. Assim é possível afirmar que quem não decifrar esse mundo com agilidade será devorado.

Home office ou teletrabalho: salto de qualidade

homem empreendedor

Com o coronavírus, muito se tem falado sobre teletrabalho ou o chamado home office. Lembrando que essa modalidade foi regulamentada na reforma trabalhista, sendo um dos temas que mais gerou dúvidas.

CTA-BAIXE_NOSSO_EBOOK-3

 

Desde 11 de novembro de 2017, esse modelo teve importantes mudanças, uma vez que o artigo 75 da Lei 13.467 de julho de 2017 é muito claro ao categorizar que os empregados em regime de teletrabalho não estão sujeitos ao controle de jornada, não sendo, portanto, elegíveis ao recebimento de horas extras.

Este é um dos pontos mais polêmicos e objeto de cautela que as empresas devem ter, uma vez que qualquer tipo de controle de jornada descaracteriza o teletrabalho, no entanto o controle pode e deve ser efetuado por tarefa.

Para que seja caracterizado, o teletrabalho deve estar previsto expressamente em contrato individual de trabalho, onde estarão especificadas as atividades que o empregado deverá desenvolver, os recursos que deverão ser utilizados (computador, telefone, água, luz), bem como os meios de reembolso destes recursos ao empregado. Lembrando que estes reembolsos não terão natureza salarial.

Outro item de suma importância na relação do teletrabalho é a segurança, que deverá ser obrigação do empregador. É importante que este elabore um termo de responsabilidade, onde estejam especificadas todas as regras de segurança para seus empregados, que deverão ser assinados e devidamente arquivados.

Os empregados que hoje trabalham nas dependências da empresa poderão migrar para o teletrabalho, desde que seja efetuado um aditivo contratual. O mesmo ocorre no caminho inverso – quando o empregador optar pela migração para o trabalho dentro das dependências da empresa, deverá ser firmado um novo aditivo de mútuo acordo entre as partes, bem como será garantido um período de transição de no mínimo 15 dias.

Importante lembrar que não é caracterizado como teletrabalho o trabalho efetuado fora das dependências da empresa uma ou duas vezes por semana.

O teletrabalho é um item motivador nas equipes de hoje, bem como é uma tendência mundial, já que traz benefícios para ambas as partes envolvidas.

Ao empregador há a economia na locação/compra de imóveis e estacionamento, no entanto a maior vantagem do empregador é que equipes que efetuam o teletrabalho são altamente motivadas, o que aumenta os lucros das empresas.

Já para os empregados, o teletrabalho proporciona melhor qualidade de vida, já que não precisa se locomover de sua residência até a empresa, o que em uma cidade como São Paulo, geralmente caracteriza-se em uma economia de 3 horas diárias no trânsito ou no transporte público.

Com exceção do controle de jornada, os demais direitos dos empregados que trabalham em regime de teletrabalho permanecem os mesmos, ou seja, o empregado possui direito a férias, 13º salário, aviso prévio, benefícios, entre outros.